Notícias

Ambulatório de Psicogeriatria do LIM-27

08/12/2010

Oferecer atendimento especializado para diagnóstico, tratamento e reabilitação a indivíduos idosos portadores de desordens neuropsíquicas.
Oferecer atendimento especializado para diagnóstico, tratamento e reabilitação a indivíduos idosos portadores de desordens neuropsíquicas.

Público alvo: indivíduos idosos (60 anos ou mais), de ambos os sexos e de todas as raças, portadores de:
(1) transtornos do humor: depressão e transtorno bipolar;
(2) transtornos cognitivos: comprometimento cognitivo leve, doença de Alzheimer, outras demências e desordens relacionadas;
(3) transtornos psicóticos: esquizofrenia no idoso e psicoses de início tardio.
Diferenciais: atendimento por meio de equipe multidisciplinar, contando com profissionais de sólida formação acadêmica e grande experiência clínica, incluindo psiquiatras, neurologistas, geriatras, gerontólogas, neuropsicólogas, fonoaudióloga, fisioterapeuta e terapeuta ocupacional.
Dias de atendimento: quintas-feiras, das 8:00h às 18:00 horas.

Fazem parte deste serviço os seguintes programas:

(a) Check-up de memória:
Objetivos: avaliação preventiva do desempenho cognitivo de indivíduos idosos; diagnóstico precoce dos transtornos demenciantes, particularmente a doença de Alzheimer; diagnóstico diferencial das demências.
Público alvo: idem acima, incluindo-se indivíduos idosos sem diagnóstico prévio de transtornos psiquiátricos, com ou sem queixas de memória.
Diferenciais: coleta sistematizada de dados clínicos e evolutivos por meio de testes psicométricos e exame neuropsicológico, possibilitando caracterizar a preservação funcional ou a ocorrência de comprometimento cognitivo; recursos diagnósticos de alta tecnologia, incluindo métodos de imagem cerebral (estrutural e funcional) e pesquisa de biomarcadores em fluidos corpóreos (sangue e líquor).
Dias de atendimento: quintas-feiras, das 8:00h às 18:00 horas.

(b) Centro de reabilitação para idosos – Hospital-dia (CRHD):
Objetivos: oferecer tratamento multiprofissional integrado ao idoso, através de abordagens não farmacológicas. O programa baseia-se no modelo de hospital-dia, com a proposta de cuidar integralmente do paciente durante o dia, duas vezes por semana (durante períodos de três meses), sendo oferecidas rotinas de estimulação cognitiva, física e ocupacional, a fim de reabilitá-lo para a vida social e familiar, e buscando assim melhoria de qualidade de vida.
Público alvo: pacientes portadores de doença de Alzheimer e desordens relacionadas, com grau leve ou moderado de comprometimento cognitivo.
Diferenciais: conjunto de atividades terapêuticas realizadas em um mesmo local, com intervenções planejadas, tais como acompanhamento médico, fisioterapia com reabilitação funcional, terapia ocupacional, fonoaudiologia com reabilitação da voz, audição, deglutição e psicomotricidade, acompanhamento psicológico com psicoterapia, estimulação cognitiva e comportamental, individual/grupal e orientação famíliar, acompanhamento nutricional e social.
Dias de atendimento: terças e quintas-feiras, das 9:00h às 17:00 horas

Notícias relacionadas:

Políticas públicas da saúde mental
01/12/2010 okn

Políticas públicas da saúde mental

A edição de hoje (1) do jornal Diário de São Paulo traz um artigo assinado pelo presidente da ABP, Antonio Geraldo da Silva, com o título “Políticas públicas da saúde mental”. Políticas públicas da saúde mental Antonio Geraldo da Silva Em novembro, o Ibope realizou pesquisa em que perguntava: “Se você pudesse se encontrar com […]

Saiba Mais
Presidente da APB alerta para o crescimento do suicídio em crianças
27/01/2017 administrador

Presidente da APB alerta para o crescimento do suicídio em crianças

Dr. André Brasil, presidente da Associação Psiquiátrica da Bahia – APB e associado da ABP, conversou com o Jornal A Gazeta (ES) sobre o crescimento do risco de suicídio em crianças.

Saiba Mais
Violência e doença mental, fato ou ficcção?
27/01/2017 administrador

Violência e doença mental, fato ou ficcção?

Em estudos histórico-antropológicos, J. Monahan (1992), Universidade da Virgínia, conclui que ‘a crença de que as doenças mentais estão associadas à violência é historicamente constante e culturalmente universal’.

Saiba Mais