Notícias

Políticas públicas da saúde mental

01/12/2010

A edição de hoje (1) do jornal Diário de São Paulo traz um artigo assinado pelo presidente da ABP, Antonio Geraldo da Silva, com o título “Políticas públicas da saúde mental”.

Políticas públicas da saúde mental
Antonio Geraldo da Silva

Em novembro, o Ibope realizou pesquisa em que perguntava: “Se você pudesse se encontrar com o presidente eleito por cinco minutos, o que você pediria a ele para você mesmo?”

Dos entrevistados, 56% responderam que reivindicariam melhorias na saúde. Foi o maior índice verificado pelo estudo. Isso reflete a realidade da saúde pública no país, que sofre com falta de recursos e má gestão.

No caso da saúde mental, que igualmente enfrenta essas mazelas, há um complicador. A orientação das políticas públicas na área é equivocada e o sucateamento da rede de atendimento é patrocinado pelo próprio governo há 20 anos. Ditados por devaneios ideológicos e interesses corporativistas, “militantes da saúde mental” influenciaram o Ministério da Saúde a adotar uma linha que pretende reclassificar os transtornos mentais como problema social e não médico. E, ao negar a doença, justificam seu real objetivo de extinguir ferramentas terapêuticas e afastar os médicos da assistência.

Entre 2001 e 2008 foram suprimidos mais de 17 mil leitos psiquiátricos no país e esse desmonte continua ao ritmo de 2 mil leitos/ ano. Isso não ocorre por falta de verbas, mas por um planejamento voluntário que condena a psiquiatria e os psiquiatras. Atualmente, as políticas públicas de saúde mental são orientadas para ignorar os conhecimentos técnicos e as evidências científicas e querem convencer o brasileiro de que o doente mental não precisa de tratamento. Há a intenção de transferir a atribuição de curar os doentes dos médicos para os movimentos sociais, além de responsabilizar as famílias. Por trás dos slogans, é disso que se trata a chamada “reforma psiquiátrica”. Neste momento é fundamental exigir que a assistência em saúde mental volte a ser baseada em informações técnico-científicas para beneficiar a população e não os militantes.

Notícias relacionadas:

Violência e doença mental, fato ou ficcção?
27/01/2017 administrador

Violência e doença mental, fato ou ficcção?

Em estudos histórico-antropológicos, J. Monahan (1992), Universidade da Virgínia, conclui que ‘a crença de que as doenças mentais estão associadas à violência é historicamente constante e culturalmente universal’.

Saiba Mais
Ambulatório de Psicogeriatria do LIM-27
08/12/2010 okn

Ambulatório de Psicogeriatria do LIM-27

Oferecer atendimento especializado para diagnóstico, tratamento e reabilitação a indivíduos idosos portadores de desordens neuropsíquicas. Oferecer atendimento especializado para diagnóstico, tratamento e reabilitação a indivíduos idosos portadores de desordens neuropsíquicas. Público alvo: indivíduos idosos (60 anos ou mais), de ambos os sexos e de todas as raças, portadores de: (1) transtornos do humor: depressão e […]

Saiba Mais
Presidente da ABP apresenta cenário da Psiquiatria em entrevista
30/11/2010 okn

Presidente da ABP apresenta cenário da Psiquiatria em entrevista

Falta de estrutura e de políticas públicas são apontadas como as principais causas da situação “desumana” que a sociedade está exposta “A plena desassistência psiquiátrica”. Assim o presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), Antonio Geraldo da Silva, começa a responder o que está errado no modelo de assistência em saúde mental adotado no Brasil. […]

Saiba Mais